sábado, 18 de dezembro de 2010

Ontem


Ontem dormi um pouco triste, despi meu coração, expus minha essência, meus dilemas, minhas dores. Ele me amparou, assim como faz todas as noites, todas as tardes, manhãs e madrugadas ao léu... Sempre senta ao meu lado, inclina seus ouvidos e ampara meus soluços, guarda minhas lagrimas, consola minhas dores e temores. E mais uma vez eu pergunto porque existem coisas tão injustas? Pessoas tão perversas?  Maledicência na língua daqueles que se dizem professos ao Amor do Soberano? Pq pessoas traem nossa confiança? Pq mentem? Para que oferecer Amor e Lealdade se ñ pretendem dá-lo? A troco de que nos ferem e apunhalam a moral outorgada? Pq tenho que fazer a escolha certa sempre? Pq o peso de não identificar uma escolha errada é pesaroso cruel pra mim? Pq me sinto injustiçada? Pq não me perdôo? No fundo, talvez o que mais machuque não é ser traída, ou ser ludibriada, difamada pelo perverso, não é o maltrato e desrespeito de um agente externo, mas a imprudência de meu agente interno. Me pergunto todos os dias, o que aconteceu com o meu siso sensível que sempre me protegeu de tantos apuros?
Posso nunca ter ambicionado a malicia, ou nunca ter tido experiência, talvez vivencia a cerca de pessoas inescrupulosas, mas tinha um bom siso, noção de desvelar e boa instrução para a vida. Por isso me sinto responsável, em parte culpada e ressentida comigo mesma por ter me permitido misericórdia de uma fraude que me sabotava durante muitos dias, meses, anos.
Detesto me sentir assim... Me sentir uma boba, e saber que abusaram da minha boa fé, dos meus esforços e dedicação, da minha lealdade e fidelidade, da minha integridade!

O que posso fazer?
Orar mais um pouco. Afinal meu consolo é saber que a justiça não vira por intermédio das minhas mãos, o Soberano Criador cuidara de tudo. Ele sempre cuida!