quarta-feira, 6 de abril de 2011

Caminho das Pedras



      A criança em sua primeira infância aprende a dar os primeiros passinhos.
        Nessa fase ao colocá-la num caminho de pedras suas peninhas ainda muito imaturas, se equilibram em cada passo cuidadosamente, algumas vezes tropeçando e não conseguindo manter-se em pé, cai.
         Todavia o que fazer? Agredi-la por isso? Condena-la? Dar-lhe uns tapas?
         Suas perninhas arranhadas pelas pedras, abrem-se leves fissuras, esta machucada.
O que fazer? Cutucar suas feridas resolve? Jogar ácido aliviaria?


        Seu pai a colocou num caminho de pedras sabiamente, pois sabe que suas perninhas ainda são imaturas, e as pedras dão-lhe o desafio necessário do aprendizado, o equilíbrio e o tônus são fortalecidos.

          Ele esta sempre ali em sua retaguarda, para cada tombo, seu olhar compassivo e carinhoso, suas palavras de apoio e animo, acalentam seu coração. Ela esquece a dor dos seus arranhões, pois o animo a revigora, esta a todo vapor, bate o pó do bum bum, e se levanta ligeiramente, da mais uns passinhos, cai novamente, imediatamente olha para o seu pai e encontra o incentivo em seu olhar, sorri, e levanta, até que suas perninhas vão se fortalecendo, a cada novo dia aprende a equilibrar-se mediante os desafios,  a não desanimar ou sequer desistir, se torna forte e perspicaz para não cair mais facilmente, assim como também aprende a ser generosa e compassiva, longânime para com os mais fracos”.

           Quando renascemos na fé, somos como crianças em sua primeira infância, na fase dos primeiros passinhos, aprendendo a andar, e a cada dia fortalecendo nossas perninhas, para em fim dar passos mais largos, e correr, para o calor dos braços amorável de nosso querido Pai Eterno.

           Para os adultos na fé que possuem pés firmes, pernas fortes, e já caminhão com perspicácia, tropeçando muito pouco, e dificilmente desequilibrando-se ao ponto de dar-se em queda, não deveriam ser paciente e bondoso, com os fracos na fé?  
           Com os os irmãozinhos e irmãzinhas que a pouco estão aprendendo a dar os primeiros passinhos?
           A esses caçulas que nasceram a pouco, não seria justo e no mínimo compreensivo dar-mos palavras acalentadoras e punho forte para ampará-los em seus primeiros passos?


          Porque sabendo disso, muitas vezes somos despóticos, intolerantes, ditatoriais e impacientes?

          Temos de cuidar para não sermos uma pedra maior no caminho desses novos na fé. Levando-os ao tombo eterno, pois se assim o for teremos de responder pelo sangue desses que se perderam.

           Se assim o fazemos por ignorância, que passemos a ser iluminados e abastecidos de tolerância e abundante AMOR que o Pai tem para nos dar todos os dias.