quinta-feira, 31 de outubro de 2013

O tempo passa





       A cada ano, em cada aniversário é inevitável impedir a introspecção que me induz a retrospectiva das coisas que se passaram e a reflexão das coisas que se esperam. Nessa primavera senti um sopro gélido de ansiedade misturado com expectativas ruídas que me resultaram em dores estomacais. Tenho tantas coisas a agradecer que me entristeço por me deixar abater vez ou outra pelas tristezas que assolam baixinho.     

      Por esses dias me perguntaram se sou feliz... E pensando sobre isso (mesmo com o coração abatido), tive a convicção que sim. Sou feliz,  graças ao Eterno sou muito feliz, privilegiada e sei que sou muito amada. Sinto os reflexos do Eterno me enternecer em seus cuidados que me embalam sempre que preciso de consolo, de conselho.  Mas o interessante que mesmo tendo a certeza de que Sou feliz, sei que não Estou feliz. É momentâneo sei disso. Vai passar. Mas por em quanto não quer calar. E dói.       


      Não sei bem o que esperar e não consigo ver com perfeição. Meu futuro juntamente das minhas expectativas se embotaram. E me parecem borradas. Por isso os meus suspiros sufocantes pedem ajuda. Suplicante, corro atrás de Seu auxilio. Preciso de esperanças. Espera santificada que colore a alma. Preciso de fé. Crer nas coisas que não consigo ver, mas que tenho certeza de que estão ali. Realizar-se-á. E meus sonhos anelados aos Teus, serão revitalizados como o sol da manhã, que tímido brilhará empolgante. Feliz ! E voltarei a sorrir com borboletas na barriga transmitindo a  alegria que me desperta a paz.