segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Aula



...A tristeza matinal de hj, foi-me feito impossível não refletir na idiotice alheia. Pessoas tão cheias de si. De ego, de uma pseudo-competência, ética e falsa empatia.
Poxa vida. Como o óbvio não trás constrangimento pros próprios atos tão absortos de engodos de quimeras, que não passam de delírios estonteantes?  A falta de consideração (ou da exagerada dose de "pseudo-empatia” ) desnudou-se a galopes em minha direção. 

Embora já á alguns anos assista a essas vidas egoístas, fúteis, com preocupações neuróticas em alimentar o Rei que vive em seus umbigos, Ainda conseguem surpreender-me com suas incoerências. 
Gente que não sabem ser, apenas conhecem o verbo ter. Vestindo-se das máscara polidas em curvas irretocáveis. 
fazem-me comover de uma raiva indignante.
Desdém - desprezo são codinomes que revelam a parte pobre de suas vertentes. É muita hipocrisia pra tão pouco amor. Fazem um curso cujo primeiro degrau é a pureza da empatia, do ouvido acolhendor - do humano pronto a oferecer o "holding" daquele q sofre. Mas que fazem-se em perfeitos ignorantes que seguem desenfreados a indiferença do afeto daquele que está ao lado.

Essa é a partilha diaria numa jornada antiga - 5 anos de psicologia "abstrata", que não passa de coisa barata pra essa galerinha rompante.

Agora diz? O que farei eu com isso?
Concluo, que acima da dor q me moveu a raiva das coisas contemplativas, foi-me por fim, boa dadiva. Pois ganhei com isso oportunidade de exercitar tolerância, perdão, e sublimação. 
É incrível a sensação turbulenta dentro dum peito inflamado de indignação, ter de reconhecer que aos olhos dos Céus, são pessoas tão preciosas quanto um amado - agradável o é. São frágeis - vazias, como frágil e quebrável Tbm sei que sou.

 Por doer na pele a injustiça que fizeram-me passar, fez-me por outro ângulo enxergar as nódoas distintas que nos assemelham no final.
A diferença que desvelou-me os olhos para perdoar, reside na fonte em que bebo o amor. Onde floresço a fé paciente.
Me curo todos os dias, na sabedoria perfeita de Deus. "Amar o amável é fácil. Amar os que ferem o amor ortogado é dolorosa sina - mas necessária." Abrilhanta o caráter. Submete o orgulho ao caminho silent da humidade magnânima.

A melhor vingança será sempre o Amor