sábado, 21 de maio de 2016

Sobre a ansiedade que trago no peito.



.Sou mais uma, entre os milhões no mundo afora, que sofre de ansiedade.
Sempre sofri. Sem (de fato) "sofrer".

.Pois bem, aqui estou, num daqueles típicos momentos em que me pego pensando no que ainda não fiz. Nos livros colecionados, e nas histórias que ainda não escrevi. As viagens que estão por vir, nas amizades novas, nos distantes, e nos reencontros. Na proximidade tão desejada por quem o coração ama estar. Acolhendo com isso, o riso que fortalece os pés na estrada, onde faço pequenas pausas, e continuo à caminhar. Juntando em meio a jornada da vida, o combustível de delícias que inspiram os dias e me fazem otimista para continuar.

.Alterno os passos ligeiros, às vezes lentos, e morosos para todos os lugares inexplorados que tenho à desbravar. Por todas as trilhas, pedras e montanhas. O mergulho em mar aberto, e noites de sono no meio de uma grande pedra na cachoeira, cantarolando o som de águas, grilos, e sopro de uma brisa fresca à perpassar. No sol morno de novos horizontes, cujo os raios tímidos aquecem o coração, e dão ânimo para o percurso. Devolvendo o fôlego para a corrida de ainda outras mil milhas a experienciar.

.Às vezes penso no sucesso futuro, na casa que quero construir, no empreendimento ousado de repartir os espaços da vida (por toda a vida) com outra vida. No riso dos filhos que desejo recolher e abrigar. No jardim, e nas flores da floresta particular que ambiciono cultivar.


Existe anseio nesse peito, por ver florir as flores, e degustar os frutos, bem debaixo do fresquinho da sombra dos pomares que, tão minhas desejo, colher, e por eu mesma plantar.

Com as próprias mãos, sonho com o afofar da terra, e o desprender dos frutos da vide, para então, poder estender os braços, e alimentar os que um dia terei o prazer de educar.


.Passa tanto na minha mente. Vez e outra quando desligo o "timer", ligo o gatilho para "um" pensamento qualquer, que sem pedir, trás seu elenco, e quando pisco me vejo sonhando (de olhos abertos) completamente absorta, e compenetrada em devaneios reais.

.A minha ansiedade parece ser de alma, de um espírito que precisa viver mais do que as simples horas que o dia dá. De um inconsciente que deseja acordar a gritos um consciente surdo e quase mudo.

Meu anseio vem de todo amor preso ainda em mim, pela falta dos que sentiriam a profundidade do que sinto. Minha ânsia de viver é grande sim, mas não é do medo do dia seguinte, nem de lamentos do passado. Minha ansiedade vem do querer um agora mais intenso, mais brilhante e cheio de risos.

.Meus anseios me fazem fechar os olhos e ouvir as gargalhadas que moram em mim. Mesmo com toda a dor que eu conheço, existo para viver o sublime. Ao menos pra mim foi o que me permiti.
Minha ansiedade é ânsia de vida. Vontade de viver mais, não em anos, mas em intensidade e significação. Quanto tempo passamos, sem sentir aquele segundo, que finalmente faz a vida toda ter um significado?

.Meu frio no estômago é ânsia de consciência, de sentir os significados da vida. E às vezes (mesmo raro) devo me permitir um dia sem sentido, de monotonia ordinária pra pensar, pra divagar, e para organizar.

Mas, não! Não mesmo, esses momentos devem ser um "escape" para relaxar! Pois então, reconheço que devo (de vez em quando) deixar de lado a obsessão por controle, protocolos e rigor rígido. Por reconhecer que, mal possuo (sequer) maturidade para toda a organização com o qual me proponho à dissecar.


Esses momentos devem ser de paz! Por isso estarei deixando estar. E ser como deve ser. Em paz, e por paz.


Para finalmente, admitir à minha própria consciência, que minha ansiedade é uma grande e constante rebelião. De um espírito livre, pronto para mergulhar numa vida cheia de amor e realizações, com pessoas, lugares, sozinha,  em par - ou família.

.Minha ansiedade é de vida.
E o meu remédio é vida também!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Das praças


A praça, o pé da árvore, os ares, as histórias solitárias que por vezes e mais vezes se fez aqui. Pra deixar inflar os pulmões, pra passar a asfixia.
Pra pensar, pra ouvir, e pra orar. Sempre no mesmo estilo, do mesmo jeito. Sozinha. Entre ecos de passarinhos e ruídos urbanos, o pouco verde faz distrair a mente de todo cinza em redor. Do hostil, dos excessos, da surdes. Dos compromissos. Queria esquecer. Aqui eu esqueço, pra de paz em paz voltar, sem querer, mas por precisar.

sábado, 9 de abril de 2016

Os pares

Pertencer sem ter e ter sem pertencer.

Observando os pares que se formam no caminho, ressoam por vezes o barulho dos passos altos e ligeiros que retumbam uma aparência de ansiedade e precipitação. Vejo alguns discursos de prudência, assertividade e coragem pra aconselhar. Mas em suas próprias vidas agem como se nada houvessem dito. Vejo passos ligeiros em direção ao laço eterno, sem antes testar cautelosamente a situação em que se colocam.

Esquivam-se aos alertas, e prosseguem segundo o anseio do coração.
A maioria parece precisar de um par, para completo estar. Vê-se nisso o óbvio pulsar latente do humano. Ter a quem pertencer é o que se busca ter, e não vejo caso nisso, acho honesto e legítimo a força que move nesse sentido. Mas a precipitação nos passos, soa alto aos ouvidos, mesmo aos mais debilitados sentidos.

Tudo isso tem-me feito pensar e repensar a questão. Pois a incoerência faz-se natural quando o pulsar se torna mais ávido que o sopesar. Duas instâncias peculiares, distintas, que vez e outra questiono-me no imo, se ambas poderiam coexistir sem se esbarrar.

Sentimentos abrigados e raciocínios ilesos de melodias pulsantes. Vivendo em coerência com a consciência da prudência  e da sagacidade - coirmã da sabedoria. Pois seria mesmo isso?

Fato é que quanto mais ansiedade, mais cegos, e nus nos tornamos. Ponto este que faz vulnerável e "burlatório" a equação.

Assistir a esses exemplos, faz-me irresistivelmente repensar em pensar, quão curioso é o locutor do autor. Aquele que muito fala e pouco (ou nada) faz, e se faz, faz parecer oposto do que tanto se pôs a explanar.

Ñ é julgamento, é por o discernimento a elaborar a linguagem ñ dita. Daqueles que por vezes admiramos, e em suas vidas mostram-se tão "humanos", humano este que nos faz pensar que suas incoerência entre ser e estar são frutos de "dor", carência e busca por amor.

Talvez meu texto não faça sentido pra maioria, e sei que possivelmente serei criticada por não saber expressar minhas confabulações de maneira pontual, clara e parlatório. Mas aqui está um pouco daquilo que antes indigesto e confuso fez-me instar a tentativa de organizar.

Escrevo ñ para ser entendida, mas para (tentar) entender. A vida é assim, pessoas passam, e eventos tantos nos põe reflexivos. Vez e outra penso ser bom.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

O colo do Eterno.

Noite passada, foi difícil conter a represa presa no peito. O coração insistente em transbordar as angústias da vida. Fez valer mil reflexões, que no final, só faz constar tudo o que Deus faz com a gente quando corremos pro colo seguro a que pertencemos.
Por isso dessa vez, deixo aqui o saldo da conversa de ontem (depois de um longo período degringolando na presença irresistível do mestre), ficam as conclusões.

Deus é bom ! Louvado seja.

"Por mais doloroso que seja o caminho, por maior que sejam as provas, o Senhor Deus é o único que trata com terna responsabilidade o pobre coração cansado. O único que nunca falha e não decepciona, é o Deus Santo que com ternura faz sentir a frágil alma Seu amor, e nos recônditos mais profundos, e nas raízes das dores mais tristes, tem Ele poder de alcançar o sofrido em meio a um bravio mar de dores.

Este Deus, sussurra suave entre os soluços entrecortados de um coração(zinho) latejante, a certeza de que para Ele temos um espantoso (curioso) valor, valor este que não se explica, se recebe sem merecer. Se tem por dom, o dom da graça. E embora seja a alma humana toda quebrável, e frágil, é o sincero tratável. Curável. Por um cuidado carinhoso que Tem o Soberano ao pobre contrito de alma, e coração.

...E nEle está a certeza da mudança que Sua presença opera em favor dos que nEle esperam, e em Seu colo se lançam. D'Ele vem o cuidado que não frustra, mas conforta, trás a provisão do amor que estanca a ferida, silencia os medos, e aliviam as dores. Seu amor corrige, constrange, acalma... Seu amor não deixa os traumas instalar urdiduras de tramas em correntes, mas põem de volta no caminho da perseverança, fazendo com que os pés retornem à senda da fé e por ali trilhem resoluto ao destino que por fim importa importar, um céu Eterno à morar !

Este lugar está impresso na alma de cada fiel seguidor de Cristo, e a possibilidade de poder adora-lo pra sempre, faz valer à pena os percalços dos caminhos das pedras que ferem os pés.

Casamento, filhos, família, missão, são apenas ferramentas de percurso para um destino mais elevado. Nenhuma conquista terrena se levará! Tudo o que temos é um caráter a se tratar, a final é tudo o que temos para levar, é tudo o que temos a lhe entregar depois de claro, nossos pecados.

Como pode alguém receber tanto amor sem merecer?

Ele nos ama.
E por quanto isso não se explica, se aceita e recebe!

Seu amor encoraja, conforta e enxuga as lágrimas do caminho.
Pois então, te dê a chance!
Te deixe amar.

Ele não decepcionará !"
🙏

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Foco certo.

Vejo muitos queridos ávidos em debates teológicos, veementes na luz que possuem. Mas frequentemente fracassam em seus objetivos. A abordagem que se prestam usar, aparenta afeição amarga, causando antipatia, ao invés do tão ansiado despertamento. Vejo muitos sinceros agarrados em partes importantes da verdade. Mas possuem apenas “partes” dela.

 A verdade na letra, é apenas o princípio da verdade. Ela só é plena quando o “Está escrito” alia-se à fé praticada. Tudo o que foge desse princípio assemelha-se ao ritual compulsivo de alguns fariseus severamente repreendidos na bíblia.

Possuem “de cor” toda a teologia, são dotados de intelecto afiado, se prestam a longos e intermináveis debates, mas pouco se vê em suas vidas as obras irrepreensíveis da piedade, piedade esta que corre muito além da caridade, é aquela que é tratável, amável no tom das palavras e nas obras das mãos. Estes que mal sê veem os frutos, correm com bandeiras hasteadas de orgulho.

Existem pois, aqueles dormentes que não se prestam ao estudo sério das escrituras, mal sabem o que “Está escrito” creem no que a maioria crê e ensina, mas não dedicam interesses em verificar das coisas que veem e ouvem passivamente. É curioso ver quão profunda ignorância os absorvem, não conhecem as fontes, e mesmo assim não suspeitam mal das águas que bebem. Daqueles que sob efeito manada se postam ao lado da maioria dormente.

Questiono-me pois, onde estão os bereanos? Mesmo que em número pequeno, como minoria, onde pois estão os justos e os piedosos?

Pessoas humildes, meigas, que seguem de perto as pisadas do Mestre. Onde estão aqueles que empenham suas energias em viver o evangelho “puro e simples” — de salvação, arrependimento, e santificação. 

O evangelho que se concentra em socorrer os que perecem ao lado, em desatar as urdiduras da impiedade, em libertar os cativos e oprimidos, em despertar os que dormem. São esses os que empenham sua energia em plantar os frutos do Espírito no próprio caráter. Em viver agarradinhos a Jesus, para que lado a lado, dia a dia, a comunhão com o Mestre seja a pregação irrepreensível.

Eles não se deixam absorver em discussões tolas, não empreendem o tempo em reunir um conjunto de textos iluminados para “provar” alguma coisa a alguém, mas sim para si mesmos. Seus estudos são antes de qualquer coisa, ferramentas para lapidar o próprio caráter. Em vez de cair no engano de discussões sobre teologia, o objetivo de sua vida é realizar uma obra ativa e dedicada em favor da salvação dos perdidos.

Por essa razão vê-se nitidamente que a pregação irrepreensível é aquela que pratica a verdade – que busca viver na própria pele as coisas que se tem aprendido.

Estes sinceros compreendem a profecia: “Iceberg! enfrentai-o” como um ato de enfrentar a apostasia da maioria dormente; NÃO com discussões e críticas à liderança, pois isso enfraquece e causa divisão na igreja de Deus. A verdade precisa ser evidenciada na vida, e não apenas nas palavras. Não existe enfrentamento mais poderoso contra a apostasia vigente que uma vida agarrada a Cristo, unida a Cristo, refletindo o caráter de Cristo em cada aspecto, incluindo nas palavras. É na vida pratica e testemunho diário que abalaremos as trevas, despertaremos os dormentes, e seremos finalmente condutos eficientes da Verdade esquecida. Se concentrarmos as forças em vivermos as coisas que pregamos com tanto ânimo, se nos concentrarmos em revelar os frutos do Espírito, as vis seduções do diabo que têm aprisionado o povo escolhido serão desfeitas, e os que dormem profundo nos embalos de Laodiceia serão despertos.

Como posso querer exortar a um irmão sobre a Luz que tem-me sido apresentada, sem antes cuidar de que minha própria vida revele tais verdades de maneira prática? Como pois posso querer admoestar a um irmão sem antes pagar o preço de orar por ele, a fim de buscar sabedoria e amor para fazê-lo?

Na oração pedimos a Deus que prepare o coração do ouvinte e nos habilite a falar movidos por Seu Espírito; ao orar, pedimos por amor divinal, para que por esse único impulso falemos a outros. Como pois posso corrigir meu irmão sem antes aprender a amá-lo? Se não amar aquele a quem exorto, acaso este sentirá em minhas palavras amor e genuína consideração? ou sentir-se-á agredido, e acusado? 

Este espírito rixoso tem sido pedra de tropeço no caminho de muitos sinceros, e as energias gastas em discussões tolas, têm desviado o povo de Deus do foco daquilo pelo quê de fato nos importa lutar.

Humanidade de Cristo e perfeição de caráter são preciosidades que devem ser estudadas, compreendidas, amadas. Deus recompensará o estudante fiel. Mas lembrem-se de que estes temas não devem ser usados para conduzir debates teológicos, mas para edificação do corpo de Cristo. Se nos desviarmos da edificação para as contendas; se usarmos certas revelações para acusar e condenar a outros, iremos nos perder com tais temas.

Enquanto teólogos e leigos estão falando sobre o perfeccionismo e o pré e pós lapsarianismo, Satanás está tomando o controle nos tribunais das nações. Enquanto estamos com os olhares desviados para uns poucos átomos, Satanás está marchando contra nós. Em vez de nos deixarmos levar por discussões fúteis, deveríamos estar lutando para derrubar os procedimentos papais que busca conseguir passar a lei dominical. Estamos cegos e dormindo. Que Deus nos desperte!

Coisas urgentes estão sendo passadas quase desapercebidas por muitos. A proximidade do fim e o estabelecimento de leis contra o povo de Deus estão às portas. O estabelecimento do casamento homossexual já foi passado nos EUA em junho de 2015, e o decreto dominical deve vir em breve, pois a nação está entrando em apostasia geral. No passado, os juízos de Deus foram derramados sobre Sodoma e Gomorra, e os EUA estão repetindo sua história.

Agora é a hora de nos unirmos sob a bandeira ensanguentada do Príncipe Emanuel. Não é hora de lutarmos uns contra os outros! O Senhor deseja ter uma frente unida, e bem formada. Onde estão os verdadeiros soldados da cruz?

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Nugativo.

Com tanta futilidade e autorreferência extensiva. Fica difícil caminhar sem notar o óbvio.

Tantos preciosos seres imersos em engodos sedutores. Que se vestem de entretenimento, comida, roupas, carros, viagens utópicas, acessórios de beleza, tecnologia e coisas que o dinheiro pode proporcionar.

Tanto apelo e tanta ostentação vaidosa vestida de uma aparente "piedade". Tanto secularismo transvestidos de Amor. Tanto exibicionismo que só faz notar o "eu" que tanto deseja notar-se. Que tanto súplica por amor.

E no fundo tudo grita, e grita por ausência.
Vazio,
E dor.


Só que existe apenas uma vereda para o justo.
O infalível Amor é que sacia a fome.

Só que amor é termo tão banalizado e mal compreendido, que dizer que o Verdadeiro AMOR é VERBO que se fez CARNE, pode soar piegas demais pra se levar a sério. Mas não, não é.
Ele nos ama.

Bucolismo

Tenho me angustiado com o insofismável conceito bucólico narrado pelo Criador. E quando o peito aperta, as mãos escrevem pra alíviar a dor da minha impotência diante das coisas que me pego absorta.

Esse texto não possui a intenção de insultar os amantes dos prazeres tecnológicos, que por sua vez (talvez, uma maioria) tiveram apenas uma única e solitária experiência de um existir metropolitano.

Peço que ao menos se dêem a chance de repensar.

Pode existir um lugar melhor. Na simplicidade do aconchego das flores. Do colírio pros olhos de lugares incríveis e inimagináveis. E não me refiro a lugares paradisíacos e raros em exuberância. Mas em verdes campestres, floridos e completos com colinas, montanhas e árvores.


Lugares simples e belos por assim serem.


Onde a paz reside e a voz de Deus pode ser facilmente ouvida no cantarolar das águas de um simplório ribeirinho, ou dos passarinhos que felizes o adoram.

Dedico esse texto a todos que possuem siso e apreço pelo que ainda nos importa significar.

Que ainda nos importa sensibilizar. Refletir e pensar.

Tão perfeita poesia é, o cenário de paz e sossego que traz em si a vida bucólica. A vida campestre por si só enaltece a simplicidade, a ingenuidade dos costumes, a tranquilidade e riqueza do contato com a natureza. Em contraste com o corre-corre, confusão e agitação da vida na cidade. O pleno desenvolvimento dos centros urbanos representa à opressão onde o caos vigora por todos os lados e com as mais ardis intenções e intensidades. A paisagem bucólica representa um refúgio e refrigério do tormento ruidoso dos grandes centros que com seus entretenimentos rasos nos iludem num ciclo vicioso de uma pseudo realidade - pseudo vida. Uma terrível miopia que se veste em repertório falacioso de ser e ter das coisas que um conjunto simplório de ideais fastidiosos (odiosos) nos impõe em curvas, cores, sons hipnóticos e sabor sintético vicioso.

Nos foi imposto a falsa ideia de que esse tipo de vida é o que de "melhor" nos seria. E "bestamente" abrimos mãos de tamanho tesouro - herança e legado ! A natureza é residência divina. O prazer que a vida bucólica opera pelos que a apreciam faz e muito em restaurar a saúde mental, física e intelectual. Pensamento límpido, plenitude de paz e abundância de dias se encontra nesse tesouro perdido.

Em terrível lamento contemplo a destruição imperiosa dos valores que dantes firmamos em Cristo e por Cristo !
Apelo para que voltemos as veredas antigas.

A caso ainda restam dúvidas que o humano embruteceu em violência inexorável? Restam dúvidas da influência desencadeada pela loucura da vida secularizada?

Restam dúvidas quanto as delícias campestres ?

" Não é o plano de Deus que moremos na cidade — Em todo o mundo as cidades estão se tornando viveiros de vícios. Por toda parte se vê e ouve o que é mau, e encontram-se estimulantes à sensualidade e ao desregramento. Avoluma-se incessantemente a onda de corrupção e de crime. Cada dia oferece um registro de violência: roubos, assassínios, suicídios e crimes inomináveis. – {VC 10.1}

A vida nas cidades é falsa e artificial. A intensa paixão de ganhar dinheiro, o redemoinho da excitação e da corrida aos prazeres, a sede de ostentação, de luxo e extravagância, tudo são forças que, no que respeita à maioria da humanidade, desviam o espírito do verdadeiro desígnio da vida. Abrem a porta para milhares de males. Estas coisas exercem sobre a juventude uma força quase irresistível." – {VC 10.2}

quarta-feira, 13 de maio de 2015

À relevância do amor

Os personagens, as máscaras e os comportamentos "desajustados" são os sintomas da criança "vazia" que anseia pelo olhar materno e segurança dos braços firmes de um pai cuidador. A ausência da figura adulta de pais amáveis é ponto crucial tanto quanto essencial para o desenvolvimento sadio do self. A negligência do apego seguro, dos primeiros vínculo, do holding, e da transmissão de bençãos na identidade em construção, proporcionará adultos famintos, e ávidos por amor.

 "Pais amai vossos filhos"

O amor não previne apenas um futuro de dores como possibilitará seres aptos a serem úteis pra sociedade, pra si mesmos e para as gerações futuras. O amor não se resume a boas palavras por breves períodos, ou cercar alguém de luxo e riquezas. O amor é o reconhecimento legítimo do outro. É abençoar a identidade, é oferecer estabilidade emocional, vinculo confiável e maturidade pra encorajar o crescimento. O amor mostra a verdade com os recursos do amor. Simplicidade e bondade

quinta-feira, 16 de abril de 2015

O Homem certo

Nós homens nos caracterizamos por ser o sexo forte, embora muitas vezes caiamos por debilidade. Um dia, minha irmã chorava em sua casa… Com muita saudade, observei que meu pai chegou perto dela e perguntou o motivo de sua tristeza. Escutei-os conversando por horas, mas houve uma frase tão especial que meu pai disse naquela tarde, que até o dia de hoje ainda me recordo a cada manhã e que me enche de força. Meu pai acariciou o rosto dela e disse: “Minha filha, apaixone-se por Um Grande Homem e nunca mais voltará a chorar”. Perguntei-me tantas vezes, qual era a fórmula exata para chegar a ser esse grande homem e não deixar-me vencer pelas coisas pequenas… Com o passar dos anos, descobri que se tão somente todos nós homens lutássemos por ser grandes de espírito, grandes de alma e grandes de coração, O mundo seria completamente diferente! Aprendi que um Grande Homem não é aquele que compra tudo o que deseja, porque muitos de nós compramos com presentes a afeição e o respeito daqueles que nos cercam. Meu pai lhe dizia: “Não se apaixone por um homem que só fale de si mesmo, de seus problemas, sem preocupar-se com você… Enamore-se de um homem que se interesse por você, que conheça suas forças, suas ilusões, suas tristezas e que a ajude a superá-las.” Não creia nas palavras de um homem quando seus atos dizem o oposto. Afaste de sua vida um homem que não constrói com você um mundo melhor. Ele jamais sairá do seu lado, pois você é a sua fonte de energia… Foge de um homem enfermo espiritual e emocionalmente, é como um câncer matará tudo o que há em você (emocional, mental, física, social e economicamente) “Não dê atenção a um homem que não seja capaz de expressar seus sentimentos, que não queira lhe dar amor.” Não se agarre a um homem que não seja capaz de reconhecer sua beleza interior e exterior e suas qualidades morais. Não deixe entrar em sua vida um homem a quem tenha que adivinhar o que quer, porque não é capaz de se expressar abertamente. Não se enamore de um homem que ao conhecê-lo, sua vida tenha se transformado em um problema a resolver e não em algo para desfrutar”. Não se apaixone por um homem que demonstre frieza, insensibilidade, falta de atenção com você, corra léguas dele. Não creia em um homem que tenha carências afetivas de infância e que trata de preenchê-las com a infidelidade, culpando-a, quando o problema não está em você, e sim nele, porque não sabe o que quer da vida, nem quais são suas prioridades. Por que querer um homem que a abandonará se você não for como ele pretendia, ou se já não é mais útil? Por que querer um homem que a trocará por um cabelo ou uma cor de pele diferente, ou por uns olhos claros, ou por um corpo mais esbelto? Por que querer um homem que não saiba admirar a beleza que há em você, a verdadeira beleza… a do coração? Quantas vezes me deixei levar pela superficialidade das coisas, deixando de lado aqueles que realmente me ofereciam sua sinceridade e integridade e dando mais importância a quem não valorizava meu esforço? Custou-me muito compreender que GRANDE HOMEM não é aquele que chega no topo, nem o que tem mais dinheiro, casa, automóvel, nem quem vive rodeado de mulheres, nem muito menos o mais bonito. Um grande homem é aquele ser humano transparente, que não se refugia atrás de cortinas de fumaça, é o que abre seu CORAÇÃO sem rejeitar a realidade, é quem admira uma mulher por seus alicerces morais e grandeza interior. Um grande homem é o que cai e tem suficiente força para levantar-se e seguir lutando… Hoje minha irmã está casada e feliz, e esse Grande Homem com quem se casou, não era nem o mais popular, nem o mais solicitado pelas mulheres, nem o mais rico ou o mais bonito. Esse Grande Homem é simplesmente aquele que nunca a fez chorar… É QUEM NO LUGAR DE LÁGRIMAS LHE ROUBOU SORRISOS… Sorrisos por tudo que viveram e conquistaram juntos, pelos triunfos alcançados, por suas lindas recordações e por aquelas tristes lembranças que souberam superar, por cada alegria que repartem e pelos 3 filhos que preenchem suas vidas. Esse Grande Homem ama tanto a minha irmã que daria o que fosse por ela sem pedir nada em troca… Esse Grande Homem a quer pelo que ela é, por seu coração e pelo que são quando estão juntos. Aprendamos a ser um desses Grandes Homens, para vivenciar os anos junto de uma Grande Mulher e NADA NEM NINGUÉM NOS PODERÁ VENCER! Por: Arnaldo Jabor

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Bondade um Dom!

Sejam todos prontos para ouvir, tardios para falar e tardios para irar-se. (Tiago 1:19).

0 Amor é bondoso

Sejam bondosas e compassivas uns para com os outros, 
perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo. - Efésios 4:32
A bondade é o amor em ação. Se a paciência é a maneira pela qual o amor reage para minimizar uma circunstância negativa, a bondade é a maneira como o amor age para maximizar uma circunstância positiva. A paciência evita o problema; a bondade abençoa. Uma é preventiva, a outra é ativa. Estes dois lados do amor são a pedra fundamental onde são construídos muitos dos outros atributos que discutiremos. 
O amor lhe faz bondosa, e a bondade lhe torna agradável. Quando você é bom, as pessoas desejam ficar ao seu redor. Elas vêem você como sendo bom com elas e para elas. 
A chave bíblica para a importância da bondade é: "Não se afastem de ti a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço, escreve-as na tábua do teu coração; assim acharás favor e bom entendimento à vista de Deus e dos homens" (Provérbios 3:3-4). Pessoas bondosas acham favor aonde quer que vão, até mesmo em casa. Mas a "bondade" pode parecer um pouco ampla ao ser definida, e principalmente ao ser vivida. Então, vamos dividi-la 
em quatro ingredientes principais: 

Gentileza. Quando você é movido pela bondade, você é cuidadosa no modo como trata as pessoas, nunca sendo rude desnecessariamente. Você é sensível, tenro. Mesmo quando precisar dizer coisas duras, fará um grande esforço para que a sua censura ou provocação soe o mais leve possível. Você fala a verdade em amor.

Prestabilidade. Ser bom significa que você supre as necessidades do momento. Se forem os afazeres domésticos, você se ocupa com eles. Um ouvido? Você dá o seu. A bondade agracia a esposa com a habilidade de servir ao marido sem se preocupar com os seus próprios direitos. A bondade torna o marido curioso para saber as necessidades da esposa, e depois o motiva para ser 
aquele que fará de tudo para suprir essas necessidades - mesmo que as dele sejam postas em segundo plano. 

Boa vontade. A bondade lhe inspira a ser agradável. Ao invés de ser obstinado, relutante ou teimoso, você coopera, é flexível. Em lugar de reclamar ou dar desculpas, você busca razões para se comprometer e ajudar. Um marido gentil acaba com milhares de argumentos em potencial, tendo boa vontade para ouvir primeiro ao invés de exigir que as coisas sejam feitas à sua maneira. 

Iniciativa. A bondade pensa à frente, e dá o primeiro passo. Ela não se senta esperando ser estimulada ou forçada a sair do sofá. A pessoa gentil será o que cumprimenta primeiro, sorri primeiro, serve primeiro e perdoa primeiro. Ele (a) não espera o outro agir para então demonstrar amor. Quando agimos segundo a bondade, vemos as necessidades, e então tomamos a atitude primeiro. 

Jesus descreveu de forma criativa a bondade do amor na parábola do Bom Samaritano, encontrada na Bíblia - Lucas, capítulo 10. Um homem judeu atacado por assaltantes foi deixado 
quase morto em uma estrada deserta. Um sacerdote e um levita, respeitados no meio do povo, passaram pelo outro lado decidindo não parar. Muito ocupados. Muito importantes. Apreciadores de mãos limpas. Mas um homem comum de outra etnia - os odiados samaritanos, cujo ódio pelos judeus era cruel e mútuo - vê o homem em sua necessidade e é movido de compaixão. Atravessando todos os limites culturais e arriscando se expor ao ridículo, ele parou para ajudar o homem. Enfaixando-lhe as feridas e colocando-o sobre seu próprio animal, ele o carrega até uma hospedaria e paga todas as despesas médicas do seu próprio bolso. 
Onde anos de racismo causaram rixa e divisão, um ato de bondade aproximou dois inimigos. Gentilmente, prestativarnente, de boa vontade. Tomando a iniciativa, esse samaritano demonstrou a bondade verdadeira de todas as formas.

A Bíblia descreve uma mulher cujo marido e filhos a abençoam e honram. Entre todos os seus atributos, se destacam estes: "Fala com sabedoria e ensina com amor" (Provérbios 31:26). E você? Como as pessoas lhe descreveria à luz da bondade? Você é áspera? É gentil e prestativa? Você espera que lhe peçam alguma coisa ou você toma a iniciativa de ajudar? Não espere o outro ser bondoso primeiro para que então, você pratique a bondade. 
É difícil expressar amor quando existe pouca ou nenhuma motivação. Mas o amor em sua essência não é baseado em sentimentos. Pelo contrário, faz parte da natureza do amor ter 
consideração e ser atencioso, mesmo quando parece não haver recompensa. Você nunca aprenderá a amar até que aprenda a demonstrar bondade.

Desafio de hoje:

Além de, mais uma vez, não dizer palavras negativas hj, demonstre bondade com, no mínimo, um gesto inesperado a alguém. 

- Anote em algum lugar quando o desafio de hoje estiver completo. 
Que descobertas sobre o amor você fez hoje? O que você fez especificamente com relação a este desafio? Como você demonstrou bondade?