sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Tic Tac



                   Sim, eu sei as responsabilidades... Elas não param, apenas crescem e para cada esfera uma vertente diferente de tempo, velocidade e peso. Essa fase inicial da vida adulta tem lá suas razões para bater em nosso coração com um conjunto sonoro de aflições, pressão psicológica e certa injuria que às vezes vem misturada com certa ansiedade. Tenho reparado meu tom exasperado, tenso e estressado.  Quando me pego planejando o futuro, e tentado ordenar a cronologia dos ligeiríssimos anos que me esperam, me alegro ao passo que me desespero, pois toda meta tem seus passos, mas para alcança-las precisaria inicialmente de um plano não?
                   Bom, quando cumpro uma etapa, como, por exemplo, intuir o que realmente almejo com a mistura dosada de realidade incutida, sinto uma alegria espontânea e revigorante em minhas veias quando consigo cumprir certas etapas tão cruciais e delicadas, o alvo, é importantíssimo.
Mas os dilemas não são tão simples assim, agora vem os pesares da labuta, para uma meta estabelecida e finamente planejada, precisa-se de um esquema pratico, eficiente, sólido e preciso para começar a trilhar no caminho rumo ao grande destino. A caminhada pode ser longa ou curta isso varia com o tamanho e o nível de importância que damos as metas ambicionadas.

Mas a questão é, como trilhar esse caminho?

Pois é, ai esta mais um desafio, mesmo tendo uma intuição interessante quanto como trilha-lo a pressão psicológica, a ansiedade e o estresse só fazem crescer um desespero que pode se tornar infindável e ser observado como uma grande esteira que impede os passos largos na direção desejada.

 E o medo? Afinal essa é a hora de testar as capacidades e apurar as habilidades, sim, a correria tem sido uma grande faculdade, só me pergunto se não sairei com o diploma trocado. Como posso querer o Norte se continuo a dirigir no sentido Sul?
Com pouco tempo para realizar metas significativas e de peso estritamente influenciáveis no que diz respeito ao meu futuro, teria de correr contra o tempo? Acredito que esse não é o plano original do fiel Senhor, mas dançar com forme a musica, andar na estrada certa desfrutando da estrada da vida, no seu devido tempo, talvez isso, se assemelhasse mais com os planos do Divino. Tempo ao seu devido Tempo, pois Tudo se fez belo e formoso em seu tempo. Correr incessantemente em direção ao destino é como atravessar uma bela cidade a 180km/h. Porque não desfrutar as belezas do percurso num ritmo menos acelerado?
Afinal quais são as prioridades?
A ansiedade não vai faze-la chegar mais rápido ou ser mais eficiente, ela só atrapalhara o seu delicioso percurso, pois junto dela vem os seus vizinhos inconvenientes o estresse, a lamuria, seus frutos pesando sobre a saúde do corpo, suas horas de sono, sua alimentação, a qualidade dos seus relacionamentos, em fim, com destino a ramificações extensas.
Procurar à verdadeira e eficaz bússola que apontara a real, significante e consistente paz, só podem vir de uma única fonte, o fiel e companheiro amigo que nos direciona o leme e acende a luz em meio à penumbra, o Espírito Onipotente e Onisciente que zela com amor e ternura por nossas vidas, Deus.
Ele pode conceder o mapa, nortear o caminho, iluminar nos trechos escuros e mais que isso ele pessoalmente pode conceder sua agradável companhia nessa viagem e junto de sua atmosfera de paz e refrigério conceder a proteção necessária, o consolo, abrigo e alivio que o estreito caminho nos oferece.   

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Inércia


               Por tanto tempo ela aprendeu viver e conviver com as doçuras e amarguras de uma vida congelada, exposta a uma vitrine do que ser e fazer. Vivendo dentro de uma novelinha quase perfeita.  Embora periodicamente confrontasse com as paredes desse mundo inerte, alimentava-o com vitalidade aparentemente razoável. O que não passavam de paredes gélidas, num passa tempo que sustentavam seus pés fora do chão. Talvez, tentando iludir a si mesma.
            Bem convencida de que sua badalada “vidinha correta”, com destaque social, prestigio e reconhecimento das pessoas que a cercavam, coloriam e agitavam o suficiente esse esquema automático e viciante de viver.  
Porem uma descoberta passou a sacudir violentamente seu coração...
 “A garotinha da capa da revista”. A “bonequinha clichê” pertencente a um mundo quase perfeito, dotado de inteligência, postura, graciosidade, beleza, popularidade, meiguice e até mesmo um suposto altruísmo bastante ego centrado, não passavam de um mundo Inerte dentro de uma vida completamente estática. Na verdade essa grande estultícia que começou não se sabe onde, se infiltrou de tal maneira em seus dias, que se tornou um emaranhado sedutor para o seu coração, Uma grande armadilha rumo ao inferno. É como um veneno lento, uma vã disparatada forma de se viver, não passando de pura inercia. Não sendo nada mais do que correr incessante e insistentemente atrás do vento. Ou seja, imóvel, com rédeas falsas de controle sobre um engodo de quimeras.  
Pois viver uma fantasia seria viver?